Por causa de uma laranjinha murcha...

   Evanilde García Lara  Fundadora

Nossa história começa quando o médico disse à nossa fundadora, Evanilde Garcia Lara, que a pessoa que trabalha durante toda a vida com atividades intelectuais e pára abruptamente, seu cérebro murcha igual àquela laranja que deixamos na fruteira de nossa casa, quando saímos de viagem. Ao voltar um mês depois está murcha, toda enrugada. Evanilde se preparava para aposentar depois de trabalhar 25 anos como professora de língua Portuguesa e Literatura Brasileira e mais 5 anos nos Tribunais de Contas e de Alçada onde trabalhou como revisora Judiciária, e quando ouviu isso, decidiu que ia aprender idiomas.
Inglês não a atraía, embora fosse graduada em Inglês. Por motivos "ancestrais’’ optou por estudar Francês, que já conhecia  um pouco, e Espanhol, que não sabia "ni jota" (sua avó era Espanhola,  o avô era poliglota, havia  estudado no Caraça e  em Paris, e dominava o Espanhol).

Foi amor  à 1ª vista.  Se  apaixonou   pela  cultura  Espanhola. Se graduou e  logo arrumou   as  malas   para  ir   a   Salamanca,   informar-se    e   comprar   material  didático  para  o  ensino   do  Espanhol. E  depois  de um ano de "burocracias’’ e  preparação  de um bom método para o  ensino  da  língua,  o   Curso de Espanhol começou a funcionar  com 2 grupos de 3 alunos.
Era  o  mês   de  março  de  1.995.  Vocês podem imaginar tudo que passa a uma pessoa  que  foi  funcionária   30   anos   e   depois  resolve   abrir  uma  empresa.
 Vamos  contar-lhes  essa novela, a história do Curso Hablar.

Hablar - Curso de Espanhol

Quando Evanilde decidiu estudar Espanhol e Francês, como amante de Literatura, ela perseguia dois sonhos: ler Mme Bovary e Don Quichote nas versões originais.

Queria ler...

Mas não era isso que desejavam as pessoas que buscavam o curso para aprender Espanhol? No inicio, não tinha secretaria, ela mesma atendia ao telefone, e a primeira pergunta que as pessoas faziam era: "Em quanto tempo já estarei falando? ‘’Todos queriam Falar Espanhol."
Daí surgiu o nome HABLAR, e a preocupação do curso desde seu inicio de dar ênfase à conversação. Hoje, depois de um ano de Curso, quando as pessoas já estão falando com correção, propriedade e relativa fluência, toda a equipe se sente recompensada de saber que ajudou o aluno a conseguir o que ele buscava .

Professores

As  primeiras professoras do Curso têm um lugar de carinho e gratidão na história do Hablar.

Carmen Velasco, é uma madrilenha, graduada em Letras pela Universidade Complutense de Madrid, e foi professora por 9 anos na mesma Universidade. Quando se casou foi viver no Peru , onde o marido, alemão, (Dr. Fritz, claro) desenvolveu um projeto na Universidade de Lima, e depois vieram para BH, dando seguimento ao mesmo projeto na UFMG. Aqui Carmen foi a madrinha do Hablar . 
Dava aulas de Espanhol, de cultura Espanhola, facilitou sua imensa biblioteca para uso de todos, orientou todo o trabalho de base da estruturação do curso, abriu os horizontes para o conhecimento das culturas americanas, hispânicas e pré-colombianas e ajudou a cultivar um amor profundo e uma visão aberta e inteligente para compreensão da riquíssima cultura Espanhola.
Até hoje, de Madrid, para onde voltou, patrocina eventos culturais, e todos do Hablar se emocionam quando chegam de presente, livros, e publicações primorosas de história, de artes e de diversas manifestações da cultura judia, muçulmana, e tudo mais que se refere à vida Espanhola .

Adriana Figueiredo, uma menina, na época, já com o Diploma DELE da Universidade de Salamanca, lecionava Espanhol no Cenex na UFMG e chegou ao Hablar pelas mãos de Lola, outra fabulosa professora de Espanhol.
Adriana dominava a metodologia de ensino do método comunicativo, e ela própria era um transbordamento de energia e entusiasmo.

Cláudia de Freitas Ribeiro Lara começou no Hablar como aluna. Devido à sua facilidade com a língua e didática, começou a monitorar as aulas e em pouco tempo se tornou professora. Já trazia uma grande bagagem cultural, pois era formada em comunicação, decoração e história da arte e tinha um  interesse particular pela arte espanhola.  Conseguiu o diploma DELE Superior com apenas um ano e oito meses de curso, e não quis parar por aí. Cursou letras na UFMG, fez pós-graduação em espanhol na PUC e agora cursa o mestrado em Literatura espanhola e hispano-americana na USP, em São Paulo. É sem dúvida a maior discípula da Evanilde. Tornou-se proprietária do Hablar Savassi e é uma das responsáveis pelo sucesso do Hablar, devido à sua entrega, dedicação e profissionalismo.

Nos três primeiros anos de Curso, antes da 1ª campanha publicitária para dar a conhecer o Curso Hablar, todos os alunos que aqui chegaram, foi pela indicação dos outros alunos que aqui já estudavam.
Para todos eles é um prazer estudar no Hablar, e passam aos amigos essa imagem de um Curso sério, eficaz, com um ambiente de alegria e descontração e muita amizade entre todos. Atribuímos isso ao entusiasmo e paixão pela língua dos nossos professores. 

Professores, não só estrangeiros

O Perfil dessas professoras é o mesmo de todos os professores do Hablar.
Se são estrangeiros (nativos como dizem) ou brasileiros, não importa. Importa em primeiro lugar que sejam professores, com vocação, formação e experiência como professores. Se são brasileiros se exige o Diploma DELE Superior, pois a avaliação de seus conhecimentos da Língua Espanhola no caso foi atestada pelo próprio Governo Espanhol através da Universidade de Salamanca. Se bastasse nascer na Argentina ou na Espanha para ser professor de Espanhol, seria o caso de pensar que teríamos no Brasil mais de 160.000.000 professores de Português... Quando nos dizem que em ‘’tal’’ lugar só há professores estrangeiros (nativos) contestamos:
‘’Vamos dividir essa conta por 2. Estrangeiros sim, professores não.’’ 

Material de Apoio Didático

Desde nossa fundação, em 95, vamos ao Exterior, à Espanha e aos países da América Espanhola todos os anos para reciclar e renovar o material didático.
Com a riqueza de recursos que se oferece ao aluno, eles podem avançar os estudos de acordo com sua necessidade, ou urgência.
Depende somente dele, aluno, e de sua disponibilidade de tempo para aprender mais rapidamente e queimar etapas.
A maioria que se dedica com mais intensidade consegue o Diploma DELE Superior com 4 semestres de Curso. Parte dos professores do Hablar são ex-alunos do próprio curso. 
Na classe se aprendem com segurança as estruturas da língua, com as repetições adequadas e o comando vigilante dos professores.
Em casa o aluno pode estudar utilizando como empréstimo quase 1.000 fitas de vídeo para o desenvolvimento da compreensão auditiva da língua expressiva (Espanhol idiomático) e centenas de livros e revistas, álbuns de pinturas, arquitetura, etc., CDs de cantores hispânicos, flamenco, salsa, merengues, sevilhanas, música clássica (Juan de Encina , Joaquín Rodrigo, Manuel de Falla, etc.), catálogos de Exposição de museus da Espanha e Argentina (García Lorca , Gaudi, Buñuel, Picasso, Dali ), expositores do Guggenheim, La Coruña, etc.
Publicações culturais como: Las Catedrales de Castilla y León, Cocina Española, Bodegones del Museo del Prado y Camino de Santiago e um riquíssimo acervo em vídeo dos programas da TV Educativa Espanhola e da UNED (Universidade Nacional de Educação à Distancia - Consulte a lista dos filmes e Documentários).

Atividades Extra classe

Como o Curso tem a tradição de ser o mais eficiente na Preparação para o DELE, o Hablar se empenha em oferecer várias atividades que dão suporte aos estudos e dão oportunidade de enriquecimento cultural e de expressão livre para falar fora do ambiente mais formal das aulas.
Assim, todos os anos oferece palestras e seminários. D.Antonio Prof. Graduado em Letras, (Filosofia e Letras) pela Universidade Complutense de Madri, diplomado em Psicologia da Educação, e em Veterinária, pela mesma Universidade, trabalhou como funcionário do Ministério da Agricultura ministrando cursos para Professores das Escolas de Agricultura, agora, depois de aposentado é o padrinho do Hablar, que todos os anos nos encanta com suas palestras trazendo-nos sua contribuição de erudito e apaixonado pela cultura espanhola falando sobre a cultura muçulmana, Córdoba e Granada, a Catedral de Toledo, a Pintura de Velázquez e a Poesia de Antonio Machado. 

Certificado 30 horas de Curso de Cultura Espanhola

O Curso Hablar prepara módulos de 10 horas de documentários da TV Educativa e da UNED (Universidade Nacional de Ensino à Distância), e os alunos que se inscrevem no curso (sem ônus algum, é oferta do Hablar) levam as fitas para estudar em casa, depois se submetem às avaliações escritas, oral, de debates dos temas, respostas a questionários, dissertações escritas e oral sobre os temas propostos, e se conseguem uma pontuação de 70% ou mais, recebem um atestado de conclusão de um curso de 30 horas de Cultura Espanhola.

Imersão

Os alunos dizem que no Hablar se faz uma constante experiência de Imersão, pois se não vamos a Espanha, os Espanhóis vêm até nós. É que em todas as aulas ouvimos a fala deles em gravações dos programas da TVE, onde exercitamos a compreensão auditiva com todo tipo de tema e de registro da linguagem, de variedade de acento (gallego, madrileño, catalán, andaluz...) ao mesmo tempo que tomamos contato com a vida cotidiana da Espanha: notícias, celebrações festivas, folclore, etc. 

Viagens

Mas a melhor imersão mesmo, são as viagens que o grupo de alunos e professores fazem regularmente à Espanha.
A partir de 95 alguns foram para estudar nos cursos de Férias em Salamanca, em 98 já éramos um grupo de 16 pessoas para "circular por diversas regiões da Espanha". Aí a moda pegou porque a experiência foi muito mais positiva que sentar-se em uma sala de aula em uma escola espanhola para aprender a língua. A vivência na Espanha, durante 23 dias entre grupos hispânicos de diversos países da América foi riquíssima. Falamos espanhol e só espanhol, porque mesmo estando um grupo grande de brasileiros (éramos 16, e 40 hispânicos) não podíamos falar português, porque estávamos sempre juntos, nos restaurantes, parques, museus e lojas, não podíamos fazer a falta de educação de excluí-los em nossa conversação.
E assim, contávamos piadas, brincávamos, cantávamos, contávamos nossas histórias, e ouvíamos tudo que nos contavam também e em poucos dias, todos estávamos felizes de sentir quanto havíamos progredido quanto a fluência e liberdade para "hablar".
Os guias falavam um espanhol maravilhoso, sempre dando as explicações por onde passávamos e percebemos que podemos viajar por toda Europa, não é necessário estar só na Espanha, para praticar o Espanhol, pois se o guia é espanhol e o grupo é de hispânicos onde estivermos estaremos falando o espanhol.
O resultado foi tão positivo que a cada ano cresce a adesão ao grupo de viagem.
Um fato interessante: Em Madri, em julho de 98, Don Antonio (o que nos faz as palestras) e Carmen Velasco, nos procuraram no hotel para visitar-nos e o gerente do hotel falou que não havia grupo de brasileiros lá. Como nunca falávamos em português não nos identificaram como brasileiros.
 

Este ano, 2006, o Hablar está comemorando 11 anos. São 11 anos de profissionalismo, paixão e dedicação exclusiva ao ensino do espanhol.  

 

         "Hay algunos que  transforman el sol en una mancha amarilla y

               otros que  transforman una mancha amarilla en el sol."

                                                                                                                  

                                                     Pablo Picasso